segunda-feira, maio 29, 2006

toda a verdade que ninguém quer ver

Imigram brasileiros para vir trabalhar nos balcões corridos do litoral português. Não só em lojas e cafés mas também repartições e sucursais se pode ouvir "oi" pronunciado com sorriso de boas vindas ou arquear da sobrancelha duvidoso.
O que poucos suspeitam é a intenção por detrás desta vaga de tropicalidade na pedra da calçada. As razões prendem-se com um tropismo próprio de um povo pela miséria. Lá, do outro lado do atlântico, cantam e dançam e exultam a espiritualidade à face da pobreza e fome. Cá, é bom começarmos a aprender com eles.
A ver se no Santódromo este ano vão mais animados os marchantes...

2 comentários:

smiling ghost disse...

fez lembrar a cruz ao peito da pluma caprichosa desta semana, seria ressaca?
é! mas espero que ainda cheire a sardinhas assadas e alecrim...

é um povo subtil... importam fátima como quem traz chocolates suiços do duty free de um qualquer aeroporto europeu... e são eles que fazem rock in rios por mundos melhores em terras miguelistas. fica apenas na memória a imagem dos empregados de mesa e de balcão colados às grades ao som de ivete...
um povo que sua pelos 374,70 euros, mas dá 53 com um sorriso nos lábios... subtil...

AnaSilencio disse...

Gostei deste post! Já é tempo de dar o devido respeito e mérito a estes "desterrados", ao invés da comum maldicência invejosa e xenófoba (creio eu q mais invejosa do que xenófoba, muitos de nós nunca conformaram com o facto da sua superioridade numérica :D )

 
Free counter and web stats